Programas

Programa de Treinamento da Oficina para a África

Programa de Treinamento da Oficina para a África

[[{"fid":"5518","fields":{"format":"iofcimg_large","field_teaser[und][0][value]":"Participantes do Oficina para a \u00c1frica (Foto: Victor Gotevbe)","float":"left"},"view_mode":"iofcimg_large","attributes":{"title":"Participantes do Oficina para a \u00c1frica (Foto: Victor Gotevbe)","alt":"Participantes do Oficina para a \u00c1frica (Foto: Victor Gotevbe)","class":"media-element file-iofcimg-large"},"type":"media"}]]

META

Uma sociedade que se preocupa com todos os seus habitantes e compartilha seus recursos com os mais necessitados, construindo, assim, nações e comunidades que vivem com base em uma ética divina. O grupo de trabalho Oficina para a África (sigla em inglês WfA) foi formado para desenvolver um programa de preparação e um processo de formação e para montar a primeira equipe de trabalho móvel. O foco foi dar aos participantes uma experiência mentalmente e espiritualmente estimulante que iria prepará-los para se engajar em iniciativas para construção de uma liderança ética, promoção da cidadania ativa e de unidades de apoio para o desenvolvimento baseado nas necessidades.

Houve 38 pedidos de inscrição de toda a África para 10 lugares no programa de treinamento de seis semanas, que aconteceu na África do Sul. Onze homens e mulheres de sete países africanos, de ampla faixa etária, foram selecionados. Eles se reuniram em Waaigras, um centro rural de conferências fora de Pretória, em 14 de janeiro. Durante seis semanas, eles foram instruídos e treinados por um corpo docente de 15 pessoas, locais e estrangeiros, apoiados por sete colegas de trabalho. Três viagens de campo foram incluídas no treinamento para conhecer e interagir com uma variedade de pessoas em todo o país. Isso proporcionou ao grupo Wfa oportunidades para articular o que estava sendo aprendido em Waaigras. O treinamento terminou em 28 de fevereiro.

Oito dos 11 participantes do curso partiram para o Sudão do Sul no início de março para aderir à iniciativa internacional de IdeM local para ajudar nas bases para uma boa governança. A principal tarefa deles era ajudar na formação de 200 jovens Embaixadores da Paz, que se tornarão portadores da tocha da paz e da iniciativa de reconciliação nacionais lançado pelo Vice-Presidente, Dr. Riek Machar.

Eles também podem estar envolvidos em alguns programas de acompanhamento no Sudão do Sul em maio. Depois disso, a equipe WfA continuará em outros projetos na África do Sul, Quênia e, possivelmente, mais tarde, Zimbábue. Mas antes de transferi-lo para outros projetos, o grupo vai se reunir novamente no Centro de Waaigras por duas semanas - no final de maio ou junho - para um interrogatório completo de sua experiência do Sudão do Sul e para o planejamento detalhado de seus projetos futuros.

RESULTADOS

As seis semanas de treinamento foram uma preparação moral, espiritual e intelectual para assumir projetos em toda a África. A intenção é que essa formação continuará a fim de produzir equipes de trabalho mais móveis, que terá o trabalho de países da África, construindo três coisas:

  • liderança ética e responsável em todas as instituições da sociedade civil
  • uma cultura de cidadania responsável que chama a todos os líderes a prestar contas
  • uma campanha para focar no desenvolvimento de necessidades reais