Notícias

APYC 2016 participants

22ª Conferência Ásia-Pacífico da Juventude, realizada na Indonésia

Bandung, 6 a14 de agosto de 2016

quinta-feira, 1. Setembro 2016

22ª Conferência Ásia-Pacífico da Juventude (APYC)

Bandung, 6 a14 de agosto de 2016

“Juventude para a mudança: Liderança Ética e Construção de Confiança em direção à Sociedade Inclusiva Mundial”

APYC 2016

A 22ª Conferência Ásia-Pacífico da Juventude (APYC) foi realizada em Bandung, conduzida por Iniciativas de Mudança (IdeM) Indonésia. A conferência contou com a participação de 90 jovens de 13 países e de diferentes origens. Na noite de abertura, Yudi Septiawan, o presidente da APYC, saudou a todos os participantes e agradeceu a todos os membros do corpo docente pelo trabalho duro e por suas contribuições em fazer aquela prestigiosa conferência acontecer, e expressou sua gratidão a IdeM na região Ásia-Pacífico, a todos os doadores e a todos os indivíduos que apoiaram a conferência.

Ao dar o tom do discurso, Irakli Khodeli, o chefe da Unidade de Ciências Humanas e Sociais da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) declarou que a APYC é um espaço para a juventude construir uma rede, compartilhar com incrível diversidade, abordar questões sociais em cada país e região e tomar medidas reais como geração mais jovem. Como estudioso de Caux em 2000 com Iniciativas de Mudança na Suíça, ele tinha desenvolvido um compromisso de ser ele próprio um agente de mudanças. Disse ainda que a juventude tem um enorme papel na criação da paz, porque eles são pensadores críticos, fazedores de mudança, inovadores, comunicadores e líderes.

Os participantes foram divididos em grupos para que todos tivessem a oportunidade de conhecer pessoas de diferentes origens, compartilhar suas histórias de vida e ouvir uns aos outros. Cada grupo foi conduzido por um facilitador principal que permitiu cada membro ouvir, partilhar seus pensamentos e cuidar de cada membro também. Os participantes também aprenderam sobre Tempos de Silêncio: um momento de quietude, de analisar as escolhas da vida e de autoconhecimento. Através do Tempo de Silêncio, ouvimos a nossa voz interior e nossos pensamentos. A equipe de cantores cantou Amigos, não nos conhecemos: “Não há estranhos no mundo, apenas amigos que ainda não conhecemos.”

Miftahul Huda, membro do Grupo de Coordenação de Ásia-Pacífico (APCG), disse que IdeM é uma família global de diferentes origens e que demonstra que, se quisermos ver uma mudança global, temos de começar por nós mesmos. O Dr. Agus Mulyana apresentou o Juventude para a Mudança: Ética, Integridade e Você. Ele disse que nós podemos tomar iniciativas para mudar, começando dentro de cada um. O lema da Indonésia é a Unidade na Diversidade, especialmente nas religiões. Inayah Wahid, a fundadora do Movimento Positivo da Indonésia fez uma apresentação sobre A Busca da Felicidade para Criar Mudança. Como filha mais nova do ex-presidente da Indonésia, Abdurrahman Wahid, ela percebeu que poderia assumir a responsabilidade na criação de mudanças para a Indonésia.

APYC workshop

Durante a conferência, houve seis oficinas, sobre os temas: Liderando a Mudança para um Mundo Sustentável, Mulheres Criadoras de Paz (CoP), Resolução de Conflitos e Cidadania Global, Reciclagem Criativa, Treinamento em Sensibilidade, e Música, Movimento e Arte. Cada participante escolheu uma para participar. Kexin Lim, ativista de Singapura, falou sobre sua história de vida. “Muitos de nós olham para o espelho, mas não vêem.” Temos a tendência de dar desculpas para não fazermos determinada atividade em vez de apreciar o tempo que nos foi dado. Ela disse que a vida não é apenas uma questão de escolha, mas é também como equilibramos as nossas escolhas e como colocamos os nossos corações nas coisas que fazemos. No final, ela declarou que você pode ser quem você quiser ser quando você acredita em sua decisão.

Nandor Lim, fundador da Fundação Akasha Malásia, compartilhou sobre o divórcio de seus pais quando ele tinha 12 anos de idade. Ele era muito jovem para entender o motivo. Por fim, ele fugiu da Malásia e continuou seus estudos em Taiwan. Ele disse que é fácil expressar quais mudanças queremos ver no mundo, mas é um grande desafio saber quais as medidas a tomar para melhorar a situação. “Eu finalmente me rendi a mim mesmo e perdoei os meus pais pelo que aconteceu no passado e estou pronto para avançar para criar mudanças dentro de mim, na minha família e em meu país. Acredito que, uma vez que mudamos, podemos envolver outras pessoas.”

APYC 2016

Budi Rahman Hakim, o proprietário do Internato Jagat Arsy, fez uma apresentação sobre a Promoção do Maravilhoso Islã da Indonésia. Ele compartilhou sua jornada de vida e seus pensamentos relacionados com o que ele pode fazer para a mudança global. Ele finalmente tomou a iniciativa de construir uma escola-internato com base em sua visão de respeito pelas religiões, a ciência com amor e carinho, empreendedorismo e mentalidade global.

Na sessão Conversando sobre a Paz, Francine Berabose, congolês-australiana e Barbara Lawler, voluntária australiana, compartilharam sobre questões de preconceitos e estereótipos existentes na Austrália, começando com Barbara perguntado a Francine “Ouvi alguém dizer nesta conferência que achava a Austrália um paraíso. É essa a sua experiência como uma imigrante?” Em um diálogo sobre os desafios da diversidade cultural na Austrália, aprendemos sobre a história do racismo, começando com a Austrália indígena e o lento progresso da reconciliação e da criação de uma sociedade culturalmente diversa e coesa.

Irfan Amalee e Erick Lincoln, fundadores da Geração da Paz compartilharam sobre como eles criaram a paz entre as diferentes religiões. Irfan, um muçulmano, e Erick, um cristão, desenvolveram programas de geração da paz especialmente para as escolas e jovens. Erick disse que se nós podemos abraçar os outros e a diversidade, podemos reduzir os conflitos. Isso pode acontecer quando ouvimos e respeitamos as pessoas. Siddarth Singh, de IdeM Índia, conduziu uma sessão plenária sobre Encontrando Meu Chamado, que inspirou pessoas. Os participantes foram convidados a refletirem, escreverem e partilharem seus talentos e dons, paixões e sobre o mundo que eles querem ver. A ideia era de como conscientizar a todos sobre o problema e levá-los a acreditar que a mudança é possível.

Margaret, de IdeM Austrália, disse que era uma oportunidade de ouro para os participantes, que vinham de vários países, de conversarem com as pessoas de países vizinhos sobre violência, conflito e guerra.

APYC participants

Os participantes foram colocados em grupos de discussão: Vietnã e Camboja, Índia e Afeganistão, Taiwan e Filipinas, Japão e Coreia, Indonésia e Malásia, Austrália, Timor Leste e Nova Zelândia. Tivemos conversas produtivas e pensamos nos passos que poderíamos dar. Também aproveitamos um passeio a um dos destinos turísticos em Bandung, o Mercado Flutuante de Lembang, e discutimos sobre questões atuais do mundo, fomos ao mercado noturno e assistimos a uma apresentação cultural à noite.

No último dia da conferência, começamos tendo um Tempo de Silêncio com as questões postas: Qual é a minha vocação? e Qual é o meu primeiro passo em direção ao meu chamado? Os participantes compartilharam seus planos de ação para criarem a mudança e vislumbraram a construção de amizade e de tomada de medidas reais com os compromissos assumidos em suas próprias vidas, familiares e pessoas ao redor para fazer um mundo melhor. Acreditamos que cada um de nós pode tomar parte na criação de mudanças inspiradoras e necessárias.

Tradução por Paulo Zanol