Notícias

Timor Leste Tools for Change participants
Timor Leste Tools for Change participants

Ferramentas para a Mudança no Timor Leste

sexta-feira, 23. Setembro 2016

Ferramentas para a Mudança no Timor Leste

Um ano atrás, Haridas e Tia Nair, Patrick Santa Maria e Robert Chen da Malásia foram convidados por amigos em Timor Leste para ajudá-los, fornecendo programas de treinamento de IdeM. Eles passaram o ano passado preparando-os e enviaram este relatório:

‘Se você quiser mudar os outros, comece por você primeiro’

A equipe voou de Kuala Lumpur em 12 de julho de 2016 e depois de uma estadia de uma noite em Bali, voaram na manhã seguinte para Dili, a capital de Timor Leste, uma nação recentemente independente. Nós estivemos lá por seis dias e voamos de volta para Kuala Lumpur no dia 19 de julho de 2016.

Depois de 450 anos de governo pelos portugueses e depois de um breve período de independência, o Timor Leste foi anexado pela Indonésia no final de 1975. Desde então, o conflito tem se enfurecido com a forte presença dos militares indonésios. Na sequência de um referendo das Nações Unidas, 78% dos timorenses votaram a favor da independência. O país tem uma maioria de católicos romanos (98%), 1% de muçulmanos e o restante de outros credos. As línguas oficiais são Tetun, Português, Indonésio e Inglês. Este país possui hoje uma população de 1,2 milhão de habitantes.

Nossos anfitriões locais garantiram um local no Centro de Direitos Humanos, onde foi realizado o programa de Iniciativas de Mudança, "Ferramentas para a Mudança", com dois dias de duração. Todos os 24 participantes engajaram-se neste programa.

“Ferramentas para a Mudança” foi executado ao longo de dois dias seguido por dois programas separados. Foram eles o Criadoras de Paz, para 13 mulheres, e Iniciadores de Paz, para 11 homens. Ao longo dos quatro dias, os participantes se juntaram ativamente e nós pudemos conhecê-los muito bem. Eles se empenharam em sua participação conosco e no último dia compartilharam suas experiências.

‘Concordo totalmente com você, tio Haridas’

Da avaliação dos participantes, o retorno foi muito positivo. Muitos disseram que gostariam que fossem conduzidas as oficinas novamente, e que estavam dispostos a compartilhar com seus amigos e familiares o que aprenderam. Disseram que compreendiam o que se falava, apesar das contínuas traduções, e estavam dispostos a praticar momentos regulares de silêncio todos os dias. Uma coisa que foi muito proeminente no feedback foi a honestidade da partilha entre os participantes, e o quão terapêutico isso foi para eles.

Vários deram os primeiros passos com vistas à honestidade e reconciliação e escreveram cartas de desculpas e honestidade.

Citações:

  • Isso me motivou a mudar, a começar a partir de mim mesmo. Muito inspirador. Eu entendi a ideia sobre QI e EQ (quociente emocional).
  • Eu tive a chance de me entender e ver a luz dentro de mim. Todos vocês me ajudaram a descobrir isso.
  • Eu amo a parte quando temos sessão de partilha e quando passamos a ter a ideia e motivações dos outros.
  • Aprendi sobre tempo de silêncio aplicado à minha vida.
  • Para mudar a mim mesmo, tenho que realmente aplicar o que aprendi.
  • Espero aplicar ‘procurando no lugar certo’, tentar fazer um tempo de silêncio e começar a fazer uma mudança em minha vida.
  • Obrigado por compartilhar sua experiência de vida e viagem conosco, os jovens, que muitas vezes perdemos a nossa ligação e direção. Muito obrigado pelos nossos maravilhosos facilitadores da Malásia.
  • As lições deste programa são tão importantes e eu acho que poderia ser mais enfatizado como o grupo poderia criar estratégias para realizar oficinas semelhantes /compartilhar essas informações com outros amigos e com a comunidade.
  • Quero contribuir mais com IdeM no Timor Leste e ser mais forte pessoalmente para apoiar os jovens.

Cantando

A luz está ficando mais brilhante no final do túnel escuro no Timor Leste, porque há 24 homens e mulheres jovens do Timor Leste que não vão permitir que a escuridão os domine mais.

Leia os relatórios da sessão Iniciadores de Paz para homens e da oficina de Criadoras de Paz para mulheres

Tradução por Paulo Zanol