Notícias

Oficinas de Círculos da Paz na África do Sul

quinta-feira, 5. Maio 2011

Em Março, oficinas foram realizadas em Pretoria, Laudium e Ventersdorp. Cada oficina tinha seus próprios desafios.

Portia e Cleo, com o pessoal do salão de cabeleireiro e proprietário, Hannelie Minnie (Foto: Jackie Euvrard)A beleza e salão está no coração de um subúrbio de Pretória, onde o Círculos de Paz foi convidado para realizar uma oficina pela proprietária ao longo de cinco semanas não só para o pessoal que foi selecionado por conta de suas questões pessoais, mas para ela também.

O grupo era muito religioso, colocava o desafio de encontrar uma maneira de ir além da fachada que algumas usavam para esconder seus verdadeiros sentimentos.

À medida que a oficina prosseguia, começavam a entender mais sobre si mesmas e ainda sobre questões não resolvidas em suas vidas pessoais que afetaram seu desempenho no trabalho e nas relações que valorizavam atualmente em suas vidas.

Ao final da oficina, duas colegas se sentaram e resolveram suas diferenças como um meio para sustentar o que elas, como um grupo, tinham aprendido, e compilaram um Estatuto de Equipe que está pendurada no salão.

White Blocks é uma área sub econômica em Laudium onde há um alto índice de desemprego, problemas de confiança na comunidade, um enorme problema com drogas e falta de motivação e coragem da juventude para enfrentar todos os desafios do dia-a-dia. Ainda por cima a polícia mostram muito pouca cooperação.

Os participantes expressaram quão sem esperança e derrotados elas se sentiam à luz de todos esses desafios. A única maneira como poderíamos começar a ajudar era oferecer habilidades de enfrentamento, fortalecendo-as para encontrar coragem e esperança novamente.

O jogo de liberdade condicional permitiu que alguns momentos importantes tomassem lugar, assim como situações reais na comunidade ou em casa fossem tirados. Uma pessoa disse: "Eu me sinto aliviada por dentro porque me expressei de uma maneira que nunca fiz."

A avó tinha uma ordem de restrição contra sua neta. Desconhecida de ambas foram convidadas a participar. A neta pediu desculpas por desrespeitar sua avó chamando-lhe por nomes e abusando dela quando sob a influência de drogas. Lágrimas de alegria foram derramadas enquanto testemunhávamos a reconciliação e a confiança sendo restaurada.

Avó (esquerda) e neta (3ª da esquerda) (Foto: Jackie Euvrard)Algumas delas tiveram a coragem de começar a implementar iniciativas sobre as quais tinham convicção. Os dias foram o início de um longo caminho de reconstrução, construindo confiança e mudança do desespero para a esperança. Um poderoso grupo de esposas de pastores da comunidade negra convidou o Círculos de Paz para realizar uma oficina em Ventersdorp, uma cidade racialmente sensível. Ao responder à pergunta "Se você estivesse no lugar da comunidade branca da cidade, como você enfrentaria certas situações de uma forma positiva?, fizeram uma lista e no topo dessa lista estava escrito: “queremos pedir desculpas pelos erros que cometemos."

Oficina realizada na casa de uma das participantes (Foto: Jackie Euvrard)Durante os dois dias tivemos um vislumbre das lutas pessoais, raiva, mágoa e dor que estavam passando ou pensavam que tinham enfrentado. No final do módulo sobre o poder do perdão, todo mundo escreveu em um pedaço de papel a coisa que queriam deixar para trás, que foi, então, queimado como um símbolo de “deixar pra trás” e entregar a Deus.

Como grupo, elas estão se reunindo uma vez por mês para buscar o caminho de Deus para a frente. Um dos primeiros planos que têm é iniciar uma conferência de mulheres em 9 de agosto em Ventersdorp. Uma tentativa ousada!

Poderia ser o começo da necessidade de romper com o histórico passado da cidade e encontrar um futuro comum? Nós confiamos e esperamos que sim.

Portia Mosia
Cleo Mohlaodi
Jackie Euvrard